transit

Ana pi - bio

ANA PI

www.anazpi.com

Nasce em Belo Horizonte – MG – BRASIL em 1986, sua base está atualmente em Paris – FRANCE, trabalha no mundo.

Artista coreográfica e da imagem, pesquisadora das danças urbanas, dançarina contemporânea e pedagoga graduada pela Escola de Dança da Universidade Federal da Bahia – Brasil. Através da formação EX.E.R.CE 2009/10, ela estuda a dança e a imagem no Centre Chorégraphique National de Montpellier – França, sob a direção de Mathilde Monnier.

Trânsito, deslocamento, pertencimento, sobreposição, memória, cores, ações ordinárias e gesto são matérias vitais à sua prática criativa e pedagógica. Em 2017 cria NOIRBLUE, espetáculo solo estreado durante o Artdanthé Festival #19 em Vanves – França e, estréia o seu primeiro filme entitulado NOIRBLUE – deslocamentos de uma dança (26min) em Carta Branca no Centro Georges Pompidou em Paris – França.

Ana Pi performa e palestra regularmente sobre danças urbanas, estas apresentações foram realizadas tanto no Brasil, quanto na Europa e, mais recentemente, em África. Dentro deste processo, também, ministra oficinas de dança à partir da prática que vem desenvolvendo denominada CORPO FIRME ; danças periféricas, gestos sagrados, onde as danças originárias das periferias das grandes cidades, também conhecidas como danças urbanas, se relacionam intimamente com gestos sagrados presentes na Diáspora Negra. Desde 2015, estabelece parceria com o Centro Cultural Lá da Favelinha – Aglomerado da Serra / BH, a vídeo-conferência Périphérie & Périphériques, realizada para o Festival Parallèle no MuCEM – Marselha – França, é um dos frutos desta colaboração.

Sweet Heart de Amina Jorge, 3 de Malika Djardi, Antropocenas de Rita Natálio e João dos Santos Martins, Ciconia-ciconiá de Julien Creuzet, Monumental de Jocelyn Cottencin, School of Moon de Eric Mihn Cuong Castaing, Le 1er Avril de Yves-Noel Genod, Intermezzo: Two girls wear fashion garments on a palm tree de Pablo Bronstein, TWERK e DUB LOVE de Bengolea & Chaignaud, WOMEN – You might think I’m crazy but I’m serious de Annabel Gueredrat, Coreografia para prédios pedestres e pombos de Dani Lima e Paola Barreto, Puttin on a show de Mark Tompkins, são alguns dos trabalhos em dança contemporânea e artes visuais nos quais colaborou na criação e/ou participou como intérprete-performer. No campo da música e da moda participou de projetos de duração efêmera, como publicidades e eventos para as marcas Kenzo e Hermès, shows com o Grupo Santa Teresa – autres musiques du Brésil.

Brasil, França, Turquia, Bélgica, Portugal, Espanha, Inglaterra, Alemanha, Suíça, Áustria, Itália, Polônia, Romênia, Japão, Peru, Estados Unidos, Martinica, Ilha da Reunião, Níger, Burkina Faso, Mali, Nigéria, Angola, Guiné Equatorial, Costa do Marfim e Mauritânia são os países pelos quais passou nestas experiências profissionais, seja através de programas de residência artística, ministrando oficinas sobre corpo, imagem, gestos sagrados & periferia, ou dentro da programação de festivais internacionais e turnês dos seus trabalhos.