COROA

 

COROA

( crown )

Through an extremely perpendicular dance, Ana Pi invites the audience to appreciate the firmness of a standing body; a body that defies gravity, the law of gravity that operates over all bodies, but also gravity that operates only on some bodies. The name of this dance is COROA (crown), but could also be called “plumb line”, “para-ray” or “vertex”, but it is COROA.

The crown here alludes to those of the folias, reisados and congados (Brazilian Black Diaspora cultures), this object that opened space for an entire community to reorganize their heads and continues to do it until now. The crown is also one side of the same coin, a long time ago called by ship, which decides, which determines the course of a future.

The dimension of prayer, this thin line that is placed between two hands is invoked by the vigorous movements of this dance belonging. The verticality of the dancing body here also celebrates the great circle of which it is a part, a great circle of living, ancestral, missing and invisible black bodies. The body is no longer one, there are umpteen and all those bodies are revered, temporalities overflow.

COROA activates various ideas of the black brazilian body image, more specifically of black brazilian women, in order to provoke complexity in this terrain of often limiting representations.

/////////////////////////////////////////////////////////////

MASTERING: Jideh High Elements

TECHNICAL MANAGER and PHOTOGRAPHIES: Palestina Israel

CONCEPTION, PRODUCTION and PERFORMANCE: Ana Pi

/////////////////////////////////////////////////////////////

PREMIÈRE : 4/7/18 – São Paulo

14a. VERBO mostra de performance arte / galeria VERMELHO

COROA na VERBO // 14a Mostra de Performance Arte // 4/7 galeria vermelho 20h30

Ana Pi
COROA
2018
Coreografia
150’
Através de uma dança extremamente perpendicular ao chão Ana Pi nos convida a apreciar a firmeza de um corpo de pé. Um corpo que desafia a gravidade, a gravidade da lei que opera sobre todos os corpos, mas também a gravidade que opera apenas sobre alguns.

O nome desta dança é COROA, poderia ser também fio de prumo ou pára-raio ou vértex, mas é COROA.

A coroa aqui faz alusão àquelas das folias, reisados e congados, objeto que deu passe para que toda uma comunidade desplantada pudesse reorganizar suas cabeças e que o faz até os dias de hoje. A coroa é também um dos lados de uma mesma moeda, em tempos remotos chamada de navio e que define, que decide, que determina os rumos de um futuro.

Os tesos movimentos dela, desta dança, convocam a dimensão da reza, desta linha fina que se coloca entre as duas palmas da mão. Linha que nos impõe ficcionar e acreditar, tornar, a partir daí, visível. A alta tensão é um estado permanente de corpo, vetor entre o ponto mais alto e o mais profundo, o ápice e a raiz.

A verticalidade do corpo que dança aqui também celebra a grande roda da qual ele faz parte, grande roda de corpos negros vivos, ancestrais, desaparecidos e invisíveis. Ana Pi gira ao infinito por si e por todos os outros, os reverencia e ora por tempos tenros. O seu corpo não é mais um, são vários, temporalidades transbordam.

COROA ativa várias idéias de imagem do corpo negro, mais especificamente das representações de mulheres negras, no intuito de provocar complexidade neste terreno de representações limitantes.

COROA é um desenho coreográfico circular para um espaço largo e chão liso. Cada uma de suas fases tem 30 minutos de duração, repetidas 5 vezes ao dia. Usa pigmentos em pó e há semi-nudez.


Apoio: Institut Français em Paris, Institut Français do Brasil e Consulado Geral da França em Sao Paulo.

Data, horário e local: quarta-feira, 4/7, das 20h30 às 23h, Sala 1, Galeria Vermelho.

verbo1verbo2

Pequena Coleção de Gestos Ordinários

na linha do comum, emerge uma questão:até que ponto o corpo de uma cidade é evidente? Ana Pi. trabalho produzido durante a residência Entorno, 1 Encontro Latinoamericano de Dança Contemporânea, http://www.corporastreado.com/entorno/ São P…

na linha do comum,

emerge uma questão:
até que ponto o corpo de uma cidade é evidente?

trabalho produzido durante a residência Entorno,
1° Encontro Latinoamericano de Dança Contemporânea, 

São Paulo. 19/08/2010

Uai001Uai002Uai003Uai004Uai005Uai006Uai007Uai008Uai009Uai010Uai011Uai012Uai013Uai014Uai015Uai016Uai017Uai018Uai019Uai020

narração_olido_2.wav

árvores de clarice lima.

http://claricelima.org/projetos/arvores/ árvores ilha _cruzamento da av. ipiranga com a av. são luís direção e concepção: clarice lima performers: leticia falkin, monica vergara, ana pi, ricardo neves, robson ferraz, cristian duarte, leandro berto…

Httpclaricelima

http://claricelima.org/projetos/arvores/

 

 

árvores
ilha _cruzamento da av. ipiranga com a av. são luís

direção e concepção: clarice lima
performers: leticia falkin, monica vergara, ana pi, ricardo neves, robson ferraz, cristian duarte, leandro berton, alexandre magno, tarina quelho e clarice lima
colaboradora: patrícia araujo

vídeo: renancostalima.org & claricelima.org

árvores from renan on Vimeo.

árvores
ilha _cruzamento da av. ipiranga com a av. são luís

direção e concepção: clarice lima
performers: leticia falkin, monica vergara, ana pi, ricardo neves, robson ferraz, cristian duarte, leandro berton, alexandre magno, tarina quelho e clarice lima
colaboradora: patrícia araujo

vídeo: www.renancostalima.org & www.claricelima.org